“Praça de Autógrafos Paraísos de Papel” segue com inscrições abertas até 25 de outubro






Por: Patrícia Mendonça - estudante de jornalismo
 Estêvão dos Anjos - jornalista

Você publica de forma independente e está com livro fresquinho ou quase pronto, só esperando uma boa oportunidade para lançá-lo no mercado? O momento chegou! A 9ª Bienal do Livro de Alagoas abre nesta quarta-feira (25) as inscrições para a Praça de Autógrafos Paraíso de Papel, um espaço que dará visibilidade a escritoras e escritores que buscam seu lugar ao sol no mercado editorial, mas esbarram na falta de oportunidades. Podem se inscrever pessoas de todo o país, até o dia 25 de outubro, através da plataforma do Doity, clicando aqui.

Fazendo jus ao tema da Bienal de Alagoas deste ano, “Livro Aberto: leitura, liberdade e autonomia”, e sempre respeitando os valores defendidos pelo projeto, a Praça de Autógrafos preza pela democracia, respeitando a liberdade de expressão e a diversidade em suas mais variadas formas, além de incentivar e prestigiar a produção literária brasileira.

A coordenadora-geral da 9ª Bienal, professora Elvira Barretto, destaca o aspecto democrático da Praça de Autógrafos, ressaltando o tema do evento e a construção coletiva que tem marcado a edição deste ano.

"A Bienal em si é um livro aberto, um evento que vem sendo escrito na história a várias mãos, por várias organizações, tem vários autores. E para abrilhantar esse momento, temos os autores independentes, que vão estar na Praça de Autógrafos. Portanto, a palavra de ordem é participação democrática, uma construção coletiva de um evento organizado por uma universidade pública."


Vitrine e oportunidade

Danilo Bezerra, responsável pelo agendamento e organização da Praça de Autógrafos, destaca a importância do espaço. “O mercado literário tem ficado cada vez mais capitalizado. Os espaços para autores independentes e sem muitos recursos financeiros têm diminuído bastante. Isso tem seus pontos positivos — falando de maneira mercadológica — mas, também, tem suas negativas, pois, nessa restrição de espaços, se perdem muitas obras e conteúdos relevantes para a sociedade. A proposta da Bienal de Alagoas é, de certa maneira, democratizar esses espaços, dando visibilidade a todos os autores e públicos”.

O professor da rede pública de Maceió e escritor Fabio Ferreira, autor de Godi – um menino chamado liberdade, publicado pela Editora Baobá, e do e-book “As letras saíram de férias. E agora?”, busca agora uma publicação de forma independente, e vê na Praça de Autógrafos uma boa oportunidade para se lançar mais uma vez no mercado.

  Fabio Ferreira vê no espaço uma vitrine importante para mostrar seu trabalho
                                                 

“Primeiro porque o autor independente não tem o suporte de uma editora tradicional para fazer a divulgação de suas obras; segundo, porque, na ausência de livrarias que divulguem as obras desses autores, a Praça de Autógrafos e a própria Bienal se tornam uma grande livraria”.

Além do aspecto mercadológico, o historiador e mestre em Ciências das Religiões, chama a atenção para o contato de quem escreve com seu público leitor, um momento de troca de experiências e de incentivo para que ele e várias outras pessoas continuem perseverando no “trabalho árduo de ser um autor independente no Brasil”.

Com o início de suas atividades a partir do dia 2 de novembro, o espaço funcionará até o último dia do evento, 10 de novembro, sempre das 10h às 21h30. Na programação, lançamentos simultâneos de obras, exposição, venda de livros e sessão de autógrafos.