Foram aceitas 194 atividades, que vão de bate-papo a seminários e espetáculos 

Por: Estêvão dos Anjos - Jornalista




Com o o intuito de democratizar o acesso ao conhecimento científico e às expressões de arte e cultura, valorizando a produção acadêmica, a leitura, a arte e a diversidade cultural, a organização da 9ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas anunciou, na tarde desta terça-feira (17), o resultado da Chamada Pública para apresentação de propostas de atividades a serem realizadas durante o evento, que vai de 1º a 10 de novembro, nas ruas e nos prédios históricos de Jaraguá.

Ao todo foram aceitas 194 atividades nos formatos de bate-papo (18), contação de histórias (12), mesas-redondas (43), oficinas (36), palestras (30), seminários e congressos (27) e programação cultural (28), que irão compor a grade de atrações do evento.

Bate-papo, palestras e contação

Dentre as propostas de bate-papo aceitas, está a que será mediada pelo professor e ator Otávio Cabral, intitulada “Conversa de Coxia”, e outra encabeçada pela Secretaria de Ressocialização e Inclusão Social, que terá como tema o Programa Lêberdade.

No segmento contação de histórias, dentre as 12 selecionadas está a narração de clássicos infantis como “Chapeuzinho Vermelho” e “A terra dos meninos pelados”, interpretados por Luzian Santos de Souza e Elizabeth Correa Torres, respectivamente.

Bem como integrarão a programação paletras e palestrantes de destaque, a exemplo da que terá como tema o poeta alagoano Gonzaga Leão, ministrada pela professora Edilma Acioli de Melo Bomfim; violência doméstica, por João Facchinetti; o processo criativo por trás da contrução da HQ “Dandara”, pelo quadrinista Jean Carlos; além da que trará o escritor alagoano Benedito Ramos falando da composição do seu romance “Doce de mamão macho”, um conto que foi transformado em uma trilogia.

Oficinas e mesas-redondas

As 36 oficinas selecionadas seguem a mesma proposta, oferecendo atividades práticas sobre palhaçoterapia, com Débora de Cerqueira Santana; sobre narrativas de mangá, com o Studio Pau Brasil; e sobre direitos humanos, com o PET Conexões de Saberes do curso de Serviço Social da Ufal, entre várias outras.

Mesas-redondas também irão compor a programação, com temas que vão desde o grupo de leitura Leia Mulheres em Alagoas, com Laura Emília Araújo; jogos digitais e educação, com José Ricardo Lopes Ferreira; e educação e diversidade, com Nágib José Mendes dos Santos.

Eventos paralelos

Como já é tradição, sabendo da visibilidade e da importância da Bienal, outros eventos ocorrem em paralelo à programação principal, oferecendo à população outra variedade de atividades dentro de uma área específica, como é o caso do V Colóquio de Literatura e Utopia; o IV Enales – Encontro Alagoano de Ensino de Sociologia/Ciências Sociais; o Seminário Antropologia e Negritudes; e a 2ª (Des)conferência Zumbi e ManinhaXukuru-Kariri.

Atrações culturais


E não vão faltar atrações culturais, que levarão muita animação, entretenimento e cultura a Jaraguá. É o caso do sarau em homenagem ao cantor e compositor Jackson do Pandeiro, liderado por Cosme Rogério Ferreira; do tributo a Jorge de Lima, por Carla Medianeira Antonello; e das apresentações da Orquestra Pedagógica da Ufal, do Grupo de Saxofones da Ufal e do Coro Infantojuvenil do Lar São Domingos.

Para saber todas as atrações contempladas na Chamada Pública, acesse este link.