Confira a programação do Museu de artes visuais da Ufal na 9ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas

Por Lucas Amorim e Lucas Carvalho - estagiários de jornalismo da Pinacoteca Universitária



Mesmo fechada para visitação por reformas no prédio do Espaço Cultural, a Pinacoteca Universitária, museu de artes visuais da Universidade Federal de Alagoas, não parou suas atividades. Depois de relembrar os 20 anos da exposição Olhar Alagoas, levando o acervo para o Sesc Arapiraca, o museu estará na Bienal do Livro com o projeto Pina Ilustra, que visa divulgar e incentivar a produção alagoana de ilustração e história em quadrinhos (HQ), com programação durante toda a extensão da Bienal.

Com a curadoria do Studio Pau Brasil, o projeto leva ilustradores alagoanos diretamente para o maior evento literário do estado. Entre oficinas, palestra e mesa-redonda, o destaque das atividades vai para a releitura do “Beco dos Artistas”, tipo de feira conhecida também como Artists’ Alley, comum em eventos do gênero geek e que já acontece em outras edições das Bienais pelo país. Pela primeira vez na Bienal Alagoas, a Pinacoteca trará para o público um Alley com traços de exposição de arte.


Traço alagoano

O Pina Ilustra acontecerá no Salão Nobre da Associação Comercial de Maceió com 33 artistas selecionados pela curadoria e produções nos estilos cartoon, comic e mangá.  Além de expor suas criações, eles vão desenhar ao vivo em uma atmosfera de museu, proporcionada pelo espaço criado pela Pinacoteca. Os artistas se revezarão de forma que 10 deles estejam presentes ao mesmo tempo no mesão. Para além da mostra, alguns dos quadrinistas irão ministrar oficinas e palestras.

Colaboradora do Studio Pau Brasil e formada em Design pela UFAL, Janaina Araújo é uma das “obras-vivas” que estarão no evento, e destaca que será “uma experiência inédita para o público de Alagoas”. Como uma das representantes do Mangá, ela comenta que o estilo é muito querido por ela desde a infância, por causa das animações que assistia. “A diferença mais óbvia está no sentido da leitura, que nos mangás oriundos do Japão é de cima para baixo, da direita para a esquerda. Contudo, a forma de narrativa e de se produzir um mangá é diferente. Também a aplicação narrativa dos mangás, que é mais fluída e próxima da cinematográfica”. Janaina ministrará a oficina: “Como criar sua primeira HQ”, dia 9 (sábado), na sala 7 do pavilhão das oficinas.

A ilustradora, ainda durante sua graduação, foi também estagiária na Pinacoteca Universitária. Ela destaca como a experiência no museu foi positiva para sua formação profissional. “O contato com a área de museologia e curadoria foi enriquecedor, principalmente, porque enquanto designers aprendemos a ver a arte também como um produto. Mas ter a noção de como isso pode ser exposto, organizado, e apresentado para a população foi um processo de grande valia enquanto profissional”.

Comic, de Rodrigo Catraca


Rodrigo Bothrel, o Catraca, quadrinista desde 2014, um dos participantes da exposição, disse estar com altas expectativas e feliz em interagir com o público da Bienal. “Espaços como esse são sempre muito bem-vindos, e se tratando de Maceió, necessários. Não é incomum ser perguntado se eu consigo sobreviver com esse trabalho, e a reação quando eu digo que sim é quase que de descrença e desconfiança. Com a exceção de encomendas pequenas, e alguns trabalhos não constantes, 90% do meu trabalho é para o mercado internacional. Aqui em Maceió eu já fiz algumas HQs institucionais, mas é basicamente isso. Como ainda não se tem essa cultura de quadrinhos locais em Maceió fica difícil ter expressividade. Mais um motivo para a importância do espaço dos artistas formado pela Pinacoteca!”.
 
Outro participante do Pina Ilustra, Jean Carlos Lins, é quadrinista, ilustrador, também Designer pela UFAL e possui HQ publicada pela Edufal. O criador de “Dandara”, quadrinho infantil que trabalha com a cultura afro brasileira afirma que a principal relevância do projeto é exatamente poder mostrar ao público o que é feito aqui na nossa terra e acredita que ter essa oportunidade no evento literário pode abrir portas para mais iniciativas como essas no futuro.

Cartoon Dandara, de Jean Lins


“Eu espero que esse espaço seja uma boa base pra que outros maiores sejam criados, porque a gente precisa de espaços como o Pina Ilustra. É importante para que nós possamos dizer ‘olha, dá sim, tem apoio e tem gente produzindo’. Eu acho que isso é um incentivo muito bom para que as pessoas possam se ver também como produtores de conteúdo e como produtores de cultura”, afirmou o artista. Jean falará sobre o processo de produção de sua história em quadrinhos “Dandara” e de seus próximos projetos, em sua palestra no dia 2 (sábado), na sala 8 do pavilhão.

Para aqueles que quiserem conferir a exposição e conhecer o trabalho dos artistas, a entrada para o salão nobre da Associação Comercial é de livre acesso aos visitantes, durante os dez dias de evento, das 10h às 22h. Já as oficinas possuem limite de público de 20 participantes por vez, enquanto as palestras comportam até 30 pessoas. O evento é gratuito.

Mangá, de Don Pomodoro


Ilustradores e estilos

Artistas do estilo cartoon: Airam Amorim, Alexandre Azevedo, Ana Beatriz, André Lima, Ari Firmino, Ariadne Helena, Jean Lins, Lua Lins, Mateus Campos, Nathalia Matos e Sophia Laranjeiras. 

Artistas do estilo comic: Dayvid Sappo, Diogo Macedo, Elizângela, Nicolau Neto, Ramiro, Rodrigo Catraca, Téo Pinheiro e Yasmin Falcão. 

Representantes do estilo mangá: Alexandre Acioli, Angela Muniz, Antônio Vagner, Don Pomodoro (Bruno), Henri, Janaina Araújo, Kohai (Gabriela), Lita, Louwe’s, Mariana Petrovana, Ollie, Pablo Casado, Pedro Oliveira e San Mergulhão.


Programação

Associação Comercial de Maceió (Rua Sá e Albuquerque, 467 - Jaraguá):

2 a 10 de novembro: Exposição e Artists’ Alley, com os ilustradores e quadrinistas, das 10h às 22h.


Pavilhão das Oficinas (Estacionamento da Prefeitura de Maceió, Rua Sá e Albuquerque, 235 - Jaraguá):

2 de novembro (sábado): Palestra Criando  Dandara: o processo de produção de um quadrinho sobre afrodescendência, com Jean Lins, na sala 8, das 16h às 18h.

6 de novembro (quarta-feira), Mesa-Redonda O empoderamento feminino em artes visuais no Nordeste com o Coletivo Estampa Pop, na sala 4, das 18h às 21h.

9 de novembro (sábado), Oficina Criando Narrativas através do Mangá com o Studio Pau Brasil,  na sala 7, das 14h às 16h.

9 de novembro (sábado), Oficina Como criar sua primeira HQ/Zine com Janaína Araújo,  na sala 7, das 19h às 21h.

*Cada oficina contará com 20 vagas. Recomenda-se chegar com antecedência de mais ou menos meia hora pra garantir lugar.