Experiment-AL ocorre de 4 a 7 de novembro, no Polo Tecnológico, em Jaraguá

 Foto: Divulgação / Secti

Por Estêvão dos Anjos, jornalista

Com o intuito de estimular estudantes das escolas de Educação Básica, públicas e privadas, do Estado de Alagoas à produção científica e tecnológica, a Secretaria de Estado da Ciência, da Tecnologia e da Inovação (Secti), órgão do Governo de Alagoas, realiza, durante a 9ª Bienal Internacional do Livro, a 3ª Feira de Ciências Experiment-AL. O evento ocorre de 4 a 7 de novembro, das 9h às 12h e das 13h às 18h, no Centro de Inovação do Polo Tecnológico, na Rua Melo Póvoas, em Jaraguá.

Trazendo como tema “Inovação e empreendedorismo: soluções para cidades inteligentes”, a Experiment-AL consiste em uma mostra de 50 trabalhos técnico-científicos selecionados via edital – a lista com os trabalhos selecionados está disponível aqui.  Segundo a organização da feira, a ideia do tema busca permear “as recentes inovações tecnológicas que tornam as cidades mais otimizadas e possibilita um crescimento planejado para o benefício do ser humano”.

A apresentação será dividida em dois blocos, com os 25 primeiros sendo expostos nos dias 4 e 5 de novembro, e os outros 25, nos dias 6 e 7. Ao final, no dia 7, às 19h, uma premiação irá selecionar os melhores projetos do Ensino Fundamental e do Ensino Médio. O prêmio é uma bolsa fornecida pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas – Fapeal no valor de R$100 por mês durante um ano. “Este valor é destinado a investir na pesquisa e estimular o aluno a continuar desenvolvendo o seu trabalho”, explica Pollyanna Ferraz, coordenadora da Experiment-AL.

Parceria

Por esse motivo, uma parceria entre o maior evento literário de Alagoas e a Secti, organizadora da 3ª Experiment-AL, juntamente com a Secretaria Estadual de Educação (Seduc) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal), foi firmada. Assim, estudantes que visitam a Experiment-AL terão contato com as atividades da 9ª Bienal, bem como discentes que vão à Bienal trazidos por suas escolas têm acesso à feira promovida pela Secti. O resultado é promissor, por proporcionar aos estudantes uma vasta programação científica e cultural.
A iniciativa, além de estimular a pesquisa no âmbito do ensino básico, é também uma forma de direcionar esses estudantes para futuras produções científicas no espaço universitário, próxima etapa da formação da acadêmica. Diante disso, a Bienal se torna o cenário ideal para sua realização, por convergir propostas semelhante em um mesmo espaço. Este ano a feira teve recorde de inscrições, com 142 trabalhos submetidos das escolas da capital Maceió e do interior de Alagoas, o que reforça sua importância dentro do âmbito da produção científica.
“A Feira Experiment-AL dá oportunidade aos alunos da Educação Básica, do Ensino Médio, do Fundamental e do Ejai [Educação de Jovens, Adultos e Idosos] a apresentar os trabalhos desenvolvidos em sala de aula e ingressar esses alunos no mundo da pesquisa e inovação. Além de incentivar a ficar em contato com a academia, os aproximando da universidade”, destaca Pollyanna Ferraz.