Lançamentos transcorrem diariamente e têm como local a Praça dos Autores, no Espaço Armazém
  
Texto: Diana Monteiro Fotos: Renner Boldrino

 

Um bom espaço de visitação da 9ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas é a Praça dos Autógrafos que recebeu este ano o nome de Paraíso de Papel. É neste espaço, conectado com o tema da nona edição Livro Aberto: Leitura, Liberdade e Autonomia que os autores independentes, diariamente, garantem no evento o lançamento de suas obras.

Com apenas 9 anos de idade Vinícius Santiago Almeida Sobrinho lançou o seu primeiro livro como autor independente, na manhã deste domingo (2). O livro, denominado de Vinicices, organizado pela irmã Carol Almeida, também escritora,  e pela mãe Vera Almeida, professora de língua portuguesa, reúne  42 ditos, conhecidos como “as pérolas de Vinícius”, segundo elas, desde que ele começou a formular as primeiras frases> Frases que renderam muitos risos à família e à  pessoas do convívio.

“Fomos escrevendo e guardando o que Vinícius dizia, o que chamamos de ditos, muitos se perderam, mas até então não pensávamos em publicar. Os ditos inteligentes e engraçados de Vinícius faziam pessoas do nosso convívio irem e elas nos estimularam a publicar. O resultado está nessa sua primeira obra”, comemora Vera, que acrescentou ser um momento gratificante para toda a família.
Autor Vinícius Almeida (criança) lança sua primeira obra. 

Ao ser perguntado sobre a importância da publicação de sua primeira obra, Vinícius, que estava na oportunidade acompanhado também pelo pai, disse  sentir-se muito feliz  em participar do  evento pela primeira vez como autor. Mas confessou estar nervoso, segundo ele, porque até então, nunca tinha sido   entrevistado.

 O livro Vinicices tem ilustração do alagoano Robson Santos,  foi impresso pela Oficina da Editora Q Gráfica no Campus A. C. Simões e durante o evento está à venda no estande da Edufal. Pode ser também adquirido no Espaço Gastronômico Tamarineira, localizado na Avenida Deputado Abelardo Lopes, no conhecido Santo Eduardo.

Histórias de vida

Também presente na manhã deste domingo (3), como autor independente, na Praça dos Autógrafos, o autor sergipano Joelino Dantas, que participa pela segunda vez da Bienal do Livro. Autor das obras Das Cinzas - um grito de esperança (poesia)  e do romance regionalista O Fazendeiro, Joelino diz que tudo que escreve tem como inspiração a sua própria vida. “Fui colocando no papel o meu desabafo, o que resultou no livro de poesia e o de romance retrata histórias familiares que vivi no transcorrer da infância à fase adulta e dos obstáculos enfrentados”, enfatiza.
                 O sergipano Joelino Dantas com livros que retratam a sua própria história de vida

Natural do Sertão de Nossa Senhora da Glória, Joelino diz que foi alfabetizado aos 14 anos de idade, pelo então Mobral, um programa do governo federal, e considera como maior obstáculo não ter ido na idade ideal para a escola, por encontrar em seu próprio núcleo familiar a resistência para que ele e seus irmãos estudassem.  E em breve retrospectiva de seu percurso ele destaca:

“Sou ex-seminarista e trabalhei junto às comunidades eclesiásticas de base de Sergipe. Despertei para escrever ouvindo e descrevendo histórias populares. Aos 18 anos fui matriculado na segunda série do ensino fundamental I, mas nos transcorrer da vida e com sede de conhecimento, os quatro anos de seminário na Congregação Marista foram a formação que recebi e ela me proporcionou alçar novos voos”, diz.

Acrescenta que os 27 anos concluiu a graduação em História e posteriormente ingressou como professor da rede estadual de ensino de Sergipe. Sem dúvida, uma vitoriosa vida de Joelino,  onde a vontade pelo saber e pelo conhecimento, superou os obstáculos. Emocionado, diz que o seu maior orgulho está na família que construiu ao ver suas duas filhas graduadas, uma em Geografia e a outra em Biologia, no percurso normal de vida estudantil.

Joelino Dantas considera a Bienal do Livro, promovida pela Ufal, um espaço cultural e de motivação e nesta segunda-feira (4) pela manhã, estará mais uma vez na Praça dos Autógrafos Paraíso de Papel. Na tarde deste domingo o espaço recebe mais autores independentes, conforme programação literária e cultural.