O palestrante João Fechinetti também ressaltou que a agressão física não é o tipo de violência mais sofrida nas casas

Texto: Joyce Lys
 Fotos: Manuel Henrique 


Na última sexta-feira (8), durante a programação da 9ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas, aconteceu a palestra Violência doméstica: um fantasma em cada lar, no auditório do Museu da Imagem e do Som de Alagoas (Misa), ministrada pelo médico e psicólogo João Fachinetti.

Objetivo foi criar diálogos e conscientizar as pessoas de que o debate sobre violência doméstica não se limita a agressão física, além dos desafios dessa discussão. “Nós não temos olhos para perceber a violência psicológica que se apresenta dentro das casas, que é muito mais ampla. A violência física não é a mais frequente. Ela se introduz nas casas de uma forma muito escondida e disfarçada. Quando nós prestamos atenção, estamos com um monstro em casa que desconhecemos de onde começou, ele vai se insinuando de uma forma muito escondida”, alertou Fachinetti.


Durante a palestra, as pessoas puderam refletir a respeito de como lidam e que posturas assumem sobre essa violência. Segundo Fachinetti, tratar deste assunto não é uma tarefa fácil, é algo que está diretamente relacionado à intimidade e, muitas vezes, as pessoas que cometem violência não se enxergam como violentadoras.  “Este é um tema pertinente e intenso, só vão os corajosos e que estão dispostos a falar de coisas que acontecem na nossa casa, se apresentando como fantasma”, destacou.

O palestrante sugeriu um abraço à cultura de paz, projetando a ideia de que mais pessoas abracem, reproduzam e multipliquem em suas casas e famílias, para que as próximas gerações tenham um desenho social diferente espera que a cultura do massacre e do sofrimento também seja discutida. Para ele, minimamente modificada.

Fachinetti finalizou ressaltando que conversas em eventos como a Bienal Internacional do Livro de Alagoas devem ser constantes. E quando se fala em disseminação de uma cultura de paz, é enfático: “Não há caminho para a paz. A paz é o caminho”.