Atividade foi conduzida pelo premiado autor de diversas obras, também cineasta, roteirista e colunista de esportes brasileiro


Texto e fotos: Diana Monteiro



A interação entre crianças da rede municipal de ensino da Escola José Carneiro com o escritor paulista José Roberto Torero, marcou a atividade Como se escreve um livro? que proporcionou também estímulo à leitura.  O bate-papo foi realizado na manhã desta terça-feira (5), na praça da Igreja Nossa Senhora Mãe do Povo.

O assunto despertou o interesse dos participantes que estavam acompanhados do professor Gleberson Carvalho que fez elogios sobre a importância da atividade para o público infantil e considerou positiva a realização da 9ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas em Jaraguá, pelo que representa para Maceió, berço de surgimento da capital.

Com 39 obras publicadas, e mais uma em fase de conclusão, parte delas destinada ao público infantil, Torero respondeu diversas perguntas das crianças, principalmente sobre as dificuldades de escrever um livro. Ele aproveitou para relatar brevemente suas experiências e enfatizar: “Temos que escrever várias vezes até achar que está bom e seguir adiante. Quando criança não imaginava que um dia seria um escritor”.

Ao ser perguntado se um dia pretendia parar de escrever, bem-humorado, respondeu às crianças: “Pretendo ainda escrever mais uns 40 livros”. A contação de histórias e de como a partir de um mesmo personagem pode-se criar vários contos, citando o conhecido Rapunzel, também fizeram parte da atividade. A positividade da Bienal do Livro ser realizada no histórico bairro também foi destacada por Torero.


O bate-papo foi a primeira atividade proporcionada as crianças, que seguiram para visitação ao Espaço Armazém e para adquirir livros, por meio de vale-livros ofertados pela Secretaria de Educação de Maceió, rede de ensino a qual pertence a Escola José Carneiro. 

 

Premiado

Escritor, cineasta, roteirista de esportes brasileiro, graduado em Letras e Jornalismo pela Universidade de São Paulo (USP), José Torero é vencedor do prêmio Jabuti de 1995 com a obra O Chalaça. Para cinema e tevê escreveu Retrato Falado exibido pela Rede Globo de Televisão. Trabalhou também como roteirista em vários longas-metragens , entre eles, Memórias Póstumas, Pelé Eterno, O Contador de Histórias e Pequeno Dicionário Amoroso. Na área de esporte foi colunista da Revista Placar, de circulação nacional.