A matéria-prima utilizada pode se tornar patrimônio nacional, diz idealizadora


Texto: Kerolaine Costa
Fotos: Manuel Henrique


O Espaço Sebrae montado na Bienal Alagoas promoveu um desfile de moda com uma mistura de artesanato e cultura na noite desta terça-feira (5). O Painel + pocket desfile: moda e artesanato, uma mistura que dá match foi idealizado para mostrar o exemplo da Laços, uma empresa de moda que vem lutando para trazer visibilidade à renda singeleza, famosa na Itália e que vinha correndo o risco de ser esquecida da cultura alagoana.


Inicialmente como uma palestra, a idealizadora Cerize Ferrari contou sobre o início do projeto. De acordo com ela, o contato com a renda surgiu em um evento onde as rendeiras tinham produzido poucas unidades para revenda. A delicadeza das peças despertou interesse, que se transformou em projeto de pesquisa e, futuramente, num empreendimento. As peças produzidas pelas alagoanas em parceria com as rendeiras italianas foram exibidas em desfile. O processo de criação foi explicado pela estilista Nathália Amaral.

Atualmente a loja conta com rendeiras de várias cidades de Alagoas, como Marechal Deodoro, Água Branca e Paripueira. Além da venda das peças produzidas por essas mulheres, também foi feita uma parceria para que outras possam aprender as técnicas da singeleza e, assim, a cultura perdure. “A singeleza pode ser o primeiro patrimônio nacional de Alagoas em termo de artesanato e nós já estamos pensando internacionalmente em parceria com a Unesco”, contou Cerize.