Programação cultural marcou 10° dia da Bienal de Alagoas

Texto: Patrícia Mendonça
Fotos: Manuel Henrique


Neste último dia da 9ª Bienal Internacional do Livro de Alagoas o sarau Semente de Toda Cor reuniu o público do evento num momento de poesia, música, dança e, acima de tudo, resistência. A atração subiu ao palco da Praça Dois Leões e fez jus ao tema da Bienal nesta edição, Livro Aberto: Leitura, Liberdade e Autonomia.

O projeto é uma realização do grupo Do Pé de Poesia, que tem como proposta evidenciar a pluralidade por meio da arte; indo contra e denunciando as mazelas sociais com a força das diversas formas de expressões artísticas.

O sarau é composto de poesias autorais de escritores alagoanos que, aproveitaram a oportunidade para interpretar textos de artistas nacionais, os quais o grupo se identifica.

No início da apresentação, uma frase já denunciava o que viria pela frente. “As poesias de hoje são ecos das vozes marginalizadas”, disse uma das integrantes do grupo. No decorrer da apresentação foi possível observar defesas à educação, saúde, poesia e diversidade amorosa.

“Temos a necessidade de apresentar a literatura, de interpretar texto, para que as pessoas possam ver e ouvir as formas de manifestação artística que falam sobre ‘todas as cores’; principalmente em um momento como este em que vivemos, sob constante ameaça do fascismo”, disse Dilma de Carvalho, revisora dos textos do grupo Do Pé de Poesia.